Comunicado Projeto Titã

Em relação, às recentes notícias, comunicados e inúmeras trocas de galhardetes entre as duas federações que discutem a tutela da escalada em Portugal, o Projeto Titã gostaria de esclarecer que:

  1. Estamos a par da situação, seguindo atentamente os acontecimentos dado as suas potenciais implicações na prática da escalada em Portugal.
  2. Lamentamos que a discussão se cinja à escalada de competição e que ambas as federações pareçam considerar que esta vertente é a única onde devem concentrar os seus esforços e fazer prova das suas atividades; como já outras vezes referimos, gostaríamos de ver as federações actuar em questões como as discussões das cartas de desporto em áreas protegidas ou os reequipamentos de vias de escalada em rocha.
  3. Com efeito, desde o início do Projeto Titã, temos sentido a completa falta de apoio federativo. Felizmente, temos conseguido fazer as coisas acontecerem, mas reconhecendo que o sucesso do projeto é limitado por estar dependente do voluntarismo de uns poucos escaladores individuais.
  4. O Projeto Titã é uma “associação informal” de escaladores, cujo objetivo prioritário é a manutenção das áreas de escalada naturais (em rocha); as nossas atividades têm sido asseguradas através do trabalho voluntário de equipadores e de um forte apoio da comunidade de escaladores.
  5. Assim, apesar da nossa insatisfação com a situação atual, não tomamos nenhuma posição relativamente a esta discussão entre federações e somos totalmente independentes de qualquer uma delas.
  6. Posto isto, estamos também abertos a todas as iniciativas que possam contribuir para a concretização dos nossos objetivos e para o desenvolvimento da escalada em geral, venham elas de qualquer uma das federações ou de outras instituições.
  7. Finalmente, gostaríamos de esclarecer que já colaborámos (infelizmente muito menos do que seria desejável) com ambas as federações e rejeitamos que o Projeto Titã seja usado por qualquer uma das federações para mostrar “trabalho feito” ou como prova de que tem apoio da comunidade de escaladores.

Concluindo, gostaríamos de referir que o Projeto Titã é fruto da falta de uma estrutura robusta que defenda a escalada em Portugal em TODAS as suas vertentes, pelo que esperamos que as discussões a que estamos atualmente a assistir venham de algum modo resolver este problema.

Projeto titã – para não ficar à espera de federações quando os escaladores são o elo mais fraco…